Pesquise por hashtags, nomes e assuntos

Resultado não encontrado para: ''

Taxa Selic: o que é e como ela influencia seus investimentos

Francisco Holanda. 11/12/2019

Quando o assunto é sobre o mercado financeiro é muito comum, ao ligarmos a televisão em jornais, nos depararmos com notícias relacionadas à Taxa Selic. Se não em jornais, você também se depara com o assunto na internet, revistas ou redes sociais.

Geralmente, a notícia mais comum sobre o assunto começa com: “O Comitê de Política Monetária diminuiu novamente a taxa básica de juros da economia para x% ao ano”.

Por ser um assunto recorrente, as pessoas passaram a se perguntar, o que é a Taxa Selic, para que ela serve, como ela influencia na vida das pessoas e muito mais. 

Além de impactar os juros praticados na economia do País, a Taxa Selic é também um dos principais indicadores dos investimentos em renda fixa. Dessa forma, entender os efeitos dela e saber interpretá-la é algo essencial para quem deseja investir e poupar de forma eficaz.

Este post foi feito para que você entenda de uma vez por todas esse assunto e conheça mais a fundo a importância da Taxa Selic, na economia do Brasil, e como ela impacta nossas vidas e nossos investimentos. 

O que você irá conferir: 

O que é Taxa Selic?

A Taxa Selic, ou a taxa básica de juros da economia no Brasil, é utilizada no mercado interbancário para o financiamento de operações de curtíssimo prazo (apenas um dia), que são lastreadas em títulos públicos federais.

A sigla Selic é uma abreviação para Sistema Especial de Liquidação e Custódia. Este sistema é um modelo computadorizado, que é utilizado pelo governo, e mais especificamente o Banco Central do Brasil. O sistema tem como objetivo controlar e registrar a emissão, compra e venda de títulos públicos federais.

Assim, a Taxa Selic é obtida pelo cálculo da taxa média ponderada dos juros praticadas  entre instituições financeiras na compra e venda dos títulos. 

Uma boa parte dos títulos públicos são comprados por grandes bancos. Por lei, esses bancos são obrigados a direcionar uma porcentagem de seus depósitos a uma conta do Banco Central. Essa lei é necessária para controlar o excesso de dinheiro que está em circulação na economia e assim evitar um aumento descontrolado da inflação.

Por conta das milhares de operações bancárias que são realizadas diariamente, é comum os bancos chegarem ao final do dia com porcentagens menores do que deveriam possuir em suas contas do Banco Central. Uma vez que os bancos são obrigados a respeitar a lei, eles se vêem obrigados a pegar empréstimos uns com os outros, para conseguirem cumpri-la. 

Esses empréstimos são geralmente de curto prazo, com duração de no máximo um dia. Assim como as pessoas oferecem bens materiais como garantia de financiamentos, como suas casas ou carros, os bancos dão como garantia títulos públicos que eles compram com o Banco Central do Brasil.

Mas por que é importante que você saiba isso? Para que você possa entender a diferença entre Taxa Selic Over e Taxa Selic Meta e para que elas servem. 

Diferença entre Over e Meta

A Taxa Selic Meta é aquela que é divulgada nos jornais e a que você está mais acostumado a ouvir. Ela representa, de fato, a taxa básica de juros da economia do Brasil, pois serve de parâmetro para outras taxas que são praticadas no mercado. Vale ainda lembrar que essa taxa tende a ser sempre a menor taxa de juros em nossa economia. 

Já Taxa Selic Over é a taxa de juros praticada quando um determinado banco empresta dinheiro para outro, usando como garantia os títulos públicos comprados no Banco Central,  como descrito anteriormente.

A Over é definida diariamente, por meio de um cálculo que considera a média de todas as transações com títulos públicos federais que ocorrem no sistema Selic. 

Em outras palavras, a Selic Meta é apenas uma referência que norteia as transações interbancárias, já a Selic Over é a que efetivamente, ou seja, na prática, é utilizada no mercado. Por sua vez, ambas as taxas são muito próximas e, historicamente, a diferença entre as duas fica em torno de 0,10 pontos percentuais, sendo a Taxa Over a que é ligeiramente inferior à Taxa Meta. 

Durante o post, trataremos sobre a Selic Meta, que é o termo mais utilizado e que possui uma maior relevância para se entender o assunto. 

Quem define a Taxa Selic e como? 

A Taxa Selic é definida pelo Comitê de Política Monetária (Copom), que é um órgão do Banco Central. Ele se reúne 8 vezes por ano, ou seja, a cada 45 dias e é composto pelos diretores do Banco Central. 

Durante a reunião, é definido se a taxa básica de juros irá subir, cair ou permanecer em seu valor atual durante os próximos 45 dias até sua próxima reunião.

Nessa discussão, os diretores avaliam a situação econômica e política do País para definirem o rumo da taxa. Logo, questões como a inflação, câmbio, reformas (como a reforma da previdência, a reforma tributária e reforma trabalhista), crises ou instabilidade política podem ser levados em consideração como fatores que poderão definir o novo valor da taxa básica de juros. 

Mas por que o Copom?

O Copom foi criado em 1996 com o objetivo de acompanhar e traçar a política monetária do Brasil. Dessa forma, esse órgão foi criado, entre outros objetivos, para estabelecer as diretrizes que dizem respeito à taxa de juros do País. 

Além de estabelecer importantes critérios sobre a economia do Brasil, o Copom também é responsável por: 

Qual a Taxa Selic hoje?

Na última reunião do Copom realizada no dia 6 de maio, a Taxa Selic foi novamente reduzida em 0,75 pontos percentuais, atualmente cotada em 3% ao ano, o menor patamar na história do país. 

Desde outubro de 2016, a Taxa Selic saiu do patamar de 14,25% ao ano e continuou sendo reduzida até então. 

Vale lembrar, que em meados de 1999, poucos anos após a Taxa Selic começar a ser medida, ela chegou a alcançar a máxima de 45% ao ano, o que demonstra a diferença entre o cenário atual e 20 anos atrás.

Histórico e evolução da Taxa Selic

A melhor fonte para a consulta do valor atual da Selic e seu histórico é o site oficial do Banco Central do Brasil. Lá você encontra todos os valores oficiais da taxa e ainda confere sua evolução ao longo do tempo. 

Confira a página abaixo: 

Tela de consulta da Taxa Selic – Fonte: Banco Central, maio de 2020

Nessa tela você pode conferir quando cada alteração ocorreu, a data de suas reuniões e ainda consegue conferir a Meta Selic e Selic Over, que foram mencionadas anteriormente. 

Nela é possível conferir como a Taxa Selic tem estado em queda, desde outubro de 2016, e mais abaixo iremos conferir o motivo dessa queda dos últimos anos e como isso afeta sua vida e seus investimentos. 

Na tela abaixo, que você pode conferir no site oficial da Receita Federal, temos uma consulta sobre os valores anuais e mensais da Taxa Selic, durante os últimos nove anos. Acompanhe: 

Taxa Selic mensal dos últimos nove anos – Fonte: Receita Federal, 18 de maio de 2020

O que significam os cortes na Selic?

A queda da Taxa Selic está intimamente ligada ao atual cenário econômico do País. O que significa que ela acompanha os movimentos da economia e tende a ser menor quando o Brasil voltar a crescer. 

Inicialmente, a taxa de juros foi criada para substituir a Taxa Referencial (TR), em 1996. Nessa época, seu maior foco era o controle da hiperinflação da época, que estava em uma média de 16,01% ao ano. Desde então, a Taxa Selic vem desempenhando o papel de ajudar com o controle econômico do País, por meio do controle do consumo e dos preços dos juros. 

Nos anos de 2015 e 2016, onde o Brasil passava por sua maior crise desde a redemocratização, a Taxa Selic estava em torno dos 14% ao ano, o que demonstrava a situação difícil em que o Brasil se encontrava.

Dessa forma, quando o Copom se reúne, os diretores avaliam a situação econômica e, geralmente, quando a economia está em crescimento, com inflação controlada, os juros tendem a entrar em um movimento de queda.

Os cortes na Taxa Selic acontecem para aumentar o consumo da população, uma vez que a inflação está em queda e o valor do crédito se torna mais acessível. Assim, as pessoas começam a buscar por mais empréstimos, o que aumenta a circulação de dinheiro no País e faz as pessoas consumirem mais. 

Ao mesmo tempo que esse movimento de queda de juros acontece, a inflação tende a crescer, uma vez que as pessoas estão gastando mais o que aumenta a demanda e diminui a oferta. Por isso, não se surpreenda se nos próximos anos o Brasil sofrer um aumento em sua inflação, que tende a ser um movimento natural que ocorre com a queda de juros. 

Por outro lado, quando a inflação começa a subir, por conta do aumento de gastos, a tendência é de que os juros também voltem a subir, para que isso contenha um aumento desenfreado da inflação e possa manter a economia em ordem.

Para as empresas, o corte da taxa de juros também é um movimento importante. Isso ocorre uma vez que os cortes podem diminuir o endividamento que elas possuem e permitem a elas aumentarem sua capacidade de produção, o que pode gerar maiores lucros e consequentemente maior competitividade das empresas no mercado. 

A partir de 2018, a economia passou por um movimento gradual de melhora, com a expectativa de novas reformas, como a da previdência, a trabalhista e a tributária, e uma diminuição da inflação.

Com o cenário cada vez mais positivo e a entrada de investimentos estrangeiros chegando no País, isso estimulou ainda mais uma queda da Taxa Selic ao longo dos anos. 

Muitos analistas inclusive defendem que a Taxa Selic pode chegar a patamares ainda menores, o que poderia levar o País em um futuro não tão distante a chegar a uma Taxa Selic negativa, como já acontece em muitos países desenvolvidos como nos Estados Unidos. 

É por isso que muitos gestores defendem que o Brasil está chegando próximo ao “mundo real dos investimentos”, que seria a ideia de que a queda da taxa de juros não é um cenário preocupante e sim diferente e mais próximo da realidade. 

Como a Taxa Selic influencia sua vida?

Como mencionado anteriormente, a queda da Taxa Selic possui entre seus objetivos o aumento de consumo da população. 

Com a queda da taxa de juros, os bancos podem, na teoria, oferecer empréstimos e crédito com juros menores e consequentemente mais acessíveis para a população. Já na prática isso pode não ocorrer, uma vez que muitos bancos, mesmo com a possibilidade de diminuírem os juros cobrados, não repassam para a população essa diminuição e continuam oferecendo juros altos.

Mesmo assim, um cenário com juros em queda, é um cenário com a oferta de crédito mais barato, o que tende a aumentar a busca da população por bens e serviços e tende a aumentar o preço desses mesmos bens, que como resultado, pode gerar um aumento da inflação. 

Vale ainda lembrar, que uma vez que as empresas começam a aumentar suas produções nesse tipo de cenário, elas conseguem gradualmente crescer seu número de funcionários, o que ajuda a diminuir a taxa de desemprego do País.

Como a Taxa Selic influencia seus investimentos?

A Taxa Selic está intimamente ligada com os rendimentos de diversos investimentos. Os cortes causam efeitos visíveis e muitas vezes imediatos no mercado financeiro, principalmente sobre as aplicações em renda fixa. 

Abaixo, descrevemos como cada investimento é influenciado pela Taxa Selic. Confira:

1) Taxa Selic e a Caderneta da Poupança 

Atualmente a poupança ainda é o investimento mais procurado pelos brasileiros. Esse ativo está diretamente conectado com a Taxa Selic pois segue a seguinte regra: 

Dessa forma, uma vez que a Selic está atualmente em 3% ao ano, o rendimento da poupança passa a ser apenas 70% desse valor, ou seja um rendimento de cerca de 2,10% ao ano. 

Isso significa, que quanto menor estiver a Taxa Selic menor será o rendimento da poupança. Isso faz com que o retorno desse tipo de investimento seja um dos menos vantajosos para os investidores. 

Outro fator importante sobre a queda da Selic é que quanto menor for a taxa, mais próximo o rendimento da poupança poderá chegar a perder para a inflação.

O rendimento real da poupança, ou seja, o valor que efetivamente vai para o seu bolso, é o retorno da poupança descontando o IPCA (principal índice que mede a inflação). Ou seja, se por exemplo, a inflação estiver em 3% ao ano, o rendimento real da poupança será de, em média de -0,9% (2,10% – 3%). Observe então, que nesse cenário, a poupança perde para a inflação, sem rendimento real.

Basta apenas que o investidor saiba o valor atual da inflação e faça o cálculo para descobrir quanto de fato ele está ganhando com a poupança. Isso demonstra como um cenário de queda da Taxa Selic, se torna negativo para os que investem na poupança.

2) Taxa Selic e o Tesouro Direto 

O Tesouro Direto é um programa do Tesouro Nacional que permite aplicação em títulos da dívida pública do Brasil, com o objetivo de angariar capital para financiamento de suas dívidas e projetos.

Alguns desses títulos do Tesouro Direto possuem suas rentabilidades diretamente atreladas à Taxa Selic, como é o caso do Tesouro Selic. Seu rendimento é semelhante ao comportamento da taxa básica de juros, logo, se a Taxa Selic diminui, o Tesouro Selic passa a entregar retornos menores e vice-versa.

Atualmente os títulos disponíveis no Tesouro Direto são indexados à Selic, à inflação ou são prefixados, mas o que mais sofre com as movimentações da Selic é de fato o Tesouro Selic.

3) Taxa Selic e o CDI

O CDI (Certificado de Depósito Interbancário) é um índice utilizado semelhante ao da Taxa Selic Over e, dessa forma, seu valor é sempre próximo ao da Taxa Selic, bem como também sofre alterações quando a taxa de juros é alterada. 

A diferença entre o CDI e a Selic Over é que essa última utiliza como garantia de empréstimos os títulos públicos. Já os títulos que são negociados com a taxa do CDI oferecem como garantia os próprios títulos privados dos bancos que estão negociando. 

Logo, se os bancos negociam títulos privados entre si, eles utilizam o CDI como índice. Mas, assim como a Selic Over, o CDI geralmente possui 0,10 pontos percentuais a menos do que a Selic Meta, o que faz com que os dois (Over e CDI) sejam basicamente a mesma coisa. Se atualmente, a Selic está em 3% ao ano, o CDI e a Over tendem a estar em 2,90% ao ano.

Sendo assim, quando a Selic cai, o CDI também cai e vice versa. Dessa forma, todo investimento de renda fixa que utiliza o CDI como índice benchmark é influenciado pelos movimentos da Taxa Selic. 

Confira abaixo os principais ativos que utilizam o CDI como índice: 

Como ganhar mais que a Selic?

Com a queda da taxa de juros os investidores começaram a procurar por investimentos mais vantajosos, com maiores rentabilidades, uma vez que os investimentos atrelados à Taxa Selic já não oferecem retornos tão altos. 

Por muito tempo, com a taxa de juros em alta, muitos investidores se acostumaram com a facilidade de investimentos em renda fixa, como a poupança, que ofereciam bons retornos.

Nos últimos anos no entanto esse cenário mudou e os investidores agora estão buscando recuperar a rentabilidade que eles possuíam, por meio de outros ativos. 

Abaixo, descrevemos alguns investimentos que podem ter rendimentos superiores  à Selic. 

1) Investimentos que rendem mais de 100% do CDI 

Uma opção são os investimentos indexados ao CDI, que oferecem mais de 100% do índice. Esses investimentos geralmente são oferecidos por bancos ou empresas menores que o governo e, dessa forma, precisam remunerar mais do que a Selic para atrair investidores. 

Dessa forma, não é difícil encontrar produtos que ofereçam 110% ou 120% do CDI, uma vez que esses bancos ou empresas precisam oferecer melhores ofertas para atrair possíveis investidores.

Na Pi você encontra diversos investimentos que oferecem esse tipo de rentabilidade, entre eles os mais comuns, como descritos anteriormente são: CDBs, LCIs, LCAs, etc.

Ainda é importante ressaltar que os riscos desses tipo de ativos variam conforme rating (saúde) de crédito de cada emissor, além disso esses produtos contam com a segurança do FGC – Fundo Garantidor de Crédito, que cobre investidores em até R$ 250 mil, por CPF e instituição financeira, com limite de R$ 1 milhão.

2) Investimentos na bolsa de valores

Outra opção para quem busca investimentos mais arrojados, com rentabilidades maiores, são os investimentos em ações da bolsa de valores. 

Em meio ao cenário de queda da Taxa Selic, muitos investidores começaram a procurar pela bolsa de valores em busca de maiores retornos.

Vale lembrar que quando os juros ficam menores as empresas têm mais acesso ao crédito, o que faz com que elas produzam mais e consequentemente possam possuir ações mais valorizadas, o que atrai muitos investidores para esse mercado.

O risco, no entanto, já é muito maior, uma vez que o risco de mercado (volatilidade de preços) se torna mais presente, e pode fazer com que muitos investidores percam dinheiro. Vale sempre conhecer seu perfil de investidor para que conheça mais a fundo a sua aptidão a riscos.

3) Fundos de Investimentos 

Outra opção que pode possuir rentabilidades mais vantajosas são os fundos de investimentos. Os gestores desses fundos possuem uma liberdade maior para montar estratégias que possam bater a rentabilidade da Selic ou do CDI.

Os fundos multimercados que você encontra na plataforma da Pi, são fundos que misturam diversos ativos, como ações, títulos públicos, crédito privado, etc, dessa forma, conseguem oferecer rentabilidades diferenciadas. 

Esses fundos são ainda uma opção para quem não conhece muito sobre investimentos, mas deseja investir, uma vez que quem faz toda a estratégia de compra e venda são os gestores profissionais dos fundos. 

Na Pi você encontra investimentos com rentabilidades diversas. Basta abrir sua conta e fazer seu teste de perfil de investidor para que descubra quais os investimentos podem se encaixar melhor em seus objetivos futuros. 

Gostou do post? Deixe seu comentário abaixo.

Material publicitário. Para mais informações, acesse aqui. Os investimentos apresentados podem não ser adequados aos seus objetivos, situação financeira ou necessidades individuais. O preenchimento dos formulários API – Análise de Perfil do Investidor é essencial para garantir a adequação do perfil do cliente ao produto de investimento escolhido. Leia previamente as condições de cada produto antes de investir.

Avaliar

Obrigado por votar

Você já votou neste post

Fazer comentário

Notícias relacionadas

Novo corte na taxa Selic, deflação, acordo comercial EUA e China, desemprego e o halving do Bitcoin

Publicado em 08/05/2020.

Tesouro Selic: o que é, como funciona e quais as suas vantagens/desvantagens

Esse post foi feito para você que tem interesse em saber mais sobre o Tesouro […]

Redução da Selic para 3,75%: o que fazer com os investimentos?

Notícias sobre a redução da Selic têm sido muito comentadas nos últimos dias. Tem site […]

Onde investir em cenário de juros baixos | Az Quest

Com quase 15 anos de história, R$ 250 bilhões sob gestão e atuação em mais […]

Dividendos: entenda tudo sobre o assunto

Como viver de renda com dividendos? É possível ou não? Essas e outras dúvidas a gente responde nessa matéria completa sobre o assunto. Confira!

O que esperar da economia pós-pandemia? | Claritas Investimentos

Como estará a economia pós crise e como proteger seus investimentos? Esse foi o assunto do Papo Fundo da semana, com a Claritas Investimentos.

5 lições da série “La casa de Papel” para os investimentos

A série “La Casa de Papel” além de muito boa também trás lições importantes para o mundo dos investimentos. Leia agora o que você pode aprender com ela.

Os 4 cenários para uma recuperação econômica no Brasil

O fato de que a economia brasileira irá sofrer drasticamente após o fim da pandemia já é algo inquestionável. Mas como ela irá se recuperar? Confira aqui.

As diferentes formas de investir na bolsa | Sonata Maestria

Por: Patricia Palomo, gestora da Sonata Maestria, carteira exclusiva da Pi Investimentos Muitas pessoas se […]

Investimentos seguros: onde investir?

Quer conhecer opções que tragam segurança e uma maior rentabilidade que a poupança? Confira essa matéria sobre opções de renda fixa.

Blue Chips: o que são as grandes ações da bolsa?

Você já conhece as grandes empresas do mercado financeiro? Elas recebem o nome de Blue Chips e nessa matéria você confere tudo sobre o assunto.

Campanha “Invista em Você” dará super brindes aos investidores

Quer saber como ganhar brindes incríveis apenas investindo na Pi? Confira aqui os detalhes.

O segredo para se manter no azul na crise | Vinci Partners

Conheça o segredo dessa asset para conseguir resultados positivos no meio da pandemia. Entrevistamos a Vinci Partners para entender melhor suas estratégias.

Novo corte na taxa Selic, deflação, acordo comercial EUA e China, desemprego e o halving do Bitcoin

Publicado em 08/05/2020.

Como identificar, gerenciar e se proteger dos riscos? | Persevera Investimentos

Quer saber mais de como pode controlar os riscos dos seus ativos? A Persevera Investimentos explicou qual estratégia utiliza. Leia agora!

A alta do dólar e os fundos cambiais na crise

Publicado em 30/04/2020.

Fundos de previdência privada: saiba como investir na sua aposentadoria

Deseja ter uma aposentadoria mais tranquila ou quer fazer planos para o longo prazo? Você precisa conhecer os fundos de previdência privada. Confira!

Mercado fecha em queda com instabilidade política

Publicado em 24/04/2020.

Os fundamentos por trás das ações | Grou Capital

O que analisar antes de comprar uma ação? Essa é uma questão que muitos investidores se perguntam. A Grou Capital ajuda a entender. Confira!

Mercado futuro: seu guia completo sobre o tema

O Mercado futuro é um ambiente de renda variável onde são negociados contratos futuros. Nesta matéria você irá entender tudo sobre o assunto.

Especialistas discutem os impactos do coronavírus nas favelas e startups

Na quinta-feira (16), a Pi, fez uma transmissão, ao vivo, com Felipe Bottino, CEO da […]

As maiores crises econômicas mundiais e o coronavírus

O Covid-19 trás discussões sobre sua relação com outras crises que o mundo já vivenciou. Aqui explicamos sobre antigas crises e sua relação com a atual.

Como surfar nas oportunidades da crise? | Tarpon GT

Neste episódio do 3,14 Cast, o gestor da Tarpon GT explicou pra gente como encontrar oportunidades na crise por meio de ações diferentes. Leia agora!

Derivativos: tudo que você precisa saber

Você está a procura de ativos mais arriscados na bolsa? Talvez os derivativos possam ser uma opção. Nessa matéria explicamos tudo sobre o assunto.

Bolsa tem semana mais tranquila

Publicado em 09/04/2020.

Debêntures incentivadas: o que são e suas vantagens ao investir

As debêntures incentivadas são um dos ativos em renda fixa mais buscados por investidores. Nesta matéria você irá entender tudo sobre o assunto. Confira!

Incertezas ainda dão o tom do mercado

Mais uma semana de forte volatilidade se encerra, enquanto o mercado acompanha a evolução do […]

[Ações] É hora de investir, resgatar ou esperar? | Bresser

Atualizado em 01/04/2020. O que fazer com as suas ações na crise do coronavírus? Fazer algo ou apenas esperar o mercado voltar a normalidade? Essas dúvidas Rodrigo Bresser responde.

Especialista reforça a importância da diversificação das carteiras de investimentos em tempos de crise

Atualizado em 30.03.2020. Conheça a opinião do sócio fundador da Nord Research Renato Breia, sobre a importância de diversificar a carteira de investimentos em meio a crise.

ETF: o que é, como investir, suas vantagens e riscos

Quando falamos em bolsa de valores, a primeira coisa que vem a cabeça são ações. Aqui trouxemos outra opção interessante na renda variável, o ETF. Confira!

Como o cenário macroeconômico influencia seus ativos? | Safari Capital

Você já parou para entender os motivos que levam o mercado a entrar em panico? A Safari Capital fala sobre o cenário macro e sua influencia nos ativos.

Por que Pi Nuts?

O blog da Pi se chama Pi Nuts. Por que? NutsTraduzindo do inglês, nozesMas também […]

Notícias positivas trazem ânimo, mas volatilidade continua

Atualizado em: 24/03/2020.

Por que Henrique Bredda trocou dólar por ações? | Alaska Black

Atualizado em 20/03/2020.

Esse é o momento de ser conservador? | DLM Invista

Em um dos períodos mais conturbados dos últimos anos na bolsa, seria hora de voltar as atenções para a renda fixa? A DLM Invista nos ajuda a entender.

Small caps: o que são, para que servem e suas vantagens

Você conhece as small caps? Elas são ações da bolsa de valores que podem trazer rendimentos atrativos. Confira uma matéria completa sobre o assunto.

Tensão segue forte nos mercados globais

Atualizado em 16/03/2020

IPCA: o que é e como ele influencia sua vida e investimentos?

Você já conhece um dos mais importantes índices da nossa economia? O IPCA influência diretamente sua vida e seus investimentos. Descubra como.

Bolsa: A fase atual do mercado de ações | Reach Capital

Onde encontrar oportunidades em ações? Quais são os grupos de ações com os maiores rendimentos? Essa e outras perguntas a Reach Capital ajudou a responder.

Renda extra: 33 dicas de como conquistar a sua

Precisando de mais dinheiro? Quem não precisa? Criamos aqui uma matéria com 33 dicas de renda extra já comprovadas e que podem te ajudar. Confira!

Fundos multimercado: seu guia completo

Você já conhece os fundos multimercado? Eles podem ser uma opção para os investidores que buscam por uma carteira diversificada. Confira a matéria completa.

Por que investir em fundos quantitativos? | Kadima Asset Management

Você já conhece os fundos quantitativos? Eles podem ser opções vantajosas para os momentos de volatilidade do mercado. Confira a matéria!

Como ficam seus investimentos quando a bolsa cai?

Atualizado em 27/02/2020

“DesinterMÍDIAção”: o cliente no centro de tudo

Por Felipe Bottino, CEO da Pi Repito, em todas as oportunidades que tenho, o propósito […]

Onde encontrar oportunidades de investimento em renda fixa? | Rio Bravo

Você sabia que ainda existem oportunidades de renda fixa, mesmo com a Selic em baixa? A Rio Bravo investimentos veio falar sobre o assunto. Confira!

Imposto de Renda 2020: como declarar seus investimentos?

A época do Imposto de renda está chegando e é importante que você possua todas as informações necessárias para conseguir realizar sua declaração. Confira!

Fundos de renda fixa: tudo o que você precisa saber

Quer sair da poupança? Os fundos de renda fixa podem ser uma opção. Descubra aqui tudo que precisa saber para começar a investir nesse tipo de investimento.

Nova ação da Pi dará uma Alexa para investidores

Lançamos nesta terça-feira (18) uma ação de marketing que vai presentear os participantes com um […]

Por que a carteira do Jojo vai fechar? | Vitreo

Você conhece a carteira pronta da Pi que é administrada por Jojo? O gestor da Vitreo explicou pra gente porque seu fundo irá fechar em breve e muito mais.

Fundos de ações: tudo o que você precisa saber

Não sabe como investir na bolsa ou não tem tempo? Os fundos de ações podem ser uma solução para isso. Conheça mais sobre o assunto!

Investidor qualificado: o que é e como se tornar um

O que é um investidor qualificado? Pra que ele serve? Como ser um? Calma… iremos explicar tudo isso pra você nessa matéria. Confira agora!

Como ser sócio de Roberto Justus | Nest Asset Management

Você sabia que um dos maiores empresários do Brasil também é sócio de uma grande gestora de investimentos? Conheça mais sobre Roberto Justus e sua asset.

A Selic caiu de novo. E agora?

O Copom (Comitê de Política Monetária) do Banco Central decidiu reduzir a taxa Selic mais […]

O que analisar antes de comprar ações? | Kiron Capital

Como fazer bons investimentos na alta da bolsa e o que analisar antes de comprar ações? Essas são algumas dúvidas que a Kiron Capital respondeu pra gente.

Conheça o Taxômetro dos investimentos

Se todos os investidores brasileiros tivessem investido na Pi em 2019, mais de R$ 6 […]

Transferência de custódia: como mudar de corretora

Você já tem seus investimentos em uma corretora, mas está insatisfeito com os serviços prestados […]

Cashback: o programa de pontos da Pi Investimentos

Já sabe o que é cashback e como ele aumenta sua lucratividade nos investimentos? Confira agora.

Como o coronavírus impacta nos seus ativos? | Porto Seguro Investimentos

Atualizado em 30/01/2020. Descubra a opinião da Porto Seguro Investimentos sobre o novo coronavírus e seu impacto no mercado.

Confira qual a melhor corretora para investir em 2020

Ainda em dúvidas de qual a melhor corretora para se investir em 2020? Confira agora!

4 dicas de especialista para investir bem em renda fixa

Com a Taxa Selic, que é a referência para todos os juros praticados no Brasil, […]

Como o acordo comercial entre EUA e China impacta seus investimentos?

Estados Unidos e China querem dar mais um passo rumo à solução da tensão comercial […]

A dinâmica global nos investimentos | Franklin Templeton

O movimentos internacionais afetam os seus investimentos? Descubra já!

Por que um fundo fecha? | Pi Simplifica

Você sabia que um fundo de investimento pode fechar? Não? A Gabriela Schor explica sobre o assunto.

O que é Ibovespa? | Pi Simplifica

Você conhece o benchmark da renda variável? Ainda não? Confira então o Pi Simplifica sobre o Ibovespa.

Qual é seu perfil de investidor? | Pi Simplifica

Sabe o que é e para que serve o perfil de investidor? Confira aqui.

Entenda de uma vez o que é liquidez nos investimentos

O que é liquidez no mundo dos investimentos? Descubra agora!

A salvação é pelo risco? | Occam Brasil

Filosofia no mundo dos investimentos? Temos! Confira o que a Occam Brasil fala sobre riscos.

Como investir em ativos globais? | Vinland Capital

Confira o que rolou no 3,14Cast com a Vinland Capital.

Ele estava deixando de ganhar R$ 100 mil (e você?)

Muitas pessoas ainda podem estar deixando de ganhar dinheiro por falta de informação. Sim, talvez […]

CDI+: A renda fixa aditivada

A renda fixa não morreu, já diz o mantra repetido em todo o mercado financeiro. […]

Terceira Guerra Mundial nos investimentos?

Em meio à tensão no Oriente Médio, muitos investidores têm se mostrado cautelosos em relação […]

Confira 6 dicas de como investir em dólar

Um post com algumas dicas de como investir em dólar. “Tudo na vida tem seu […]

Gestão financeira pessoal: Confira 15 livros para ler em 2020

2020 começou e você precisa conferir a nossa recomendação de livros de gestão financeira pessoal!

Carteira de Investimentos: Confira as vantagens em investir nas da Pi

Conheça mais sobre as carteiras de investimentos da Pi.

Investir em tesouro direto: Tudo o que você precisa saber!

O Tesouro Direto é um dos investimentos mais seguros do Brasil. Por isso, é benéfico […]