Pesquise por hashtags, nomes e assuntos

Resultado não encontrado para: ''

Fundos multimercado: seu guia completo

Francisco Holanda. 04/03/2020

Você sabia que os fundos multimercado são opções interessantes para os investidores que buscam diversificar suas carteiras?

Se você possui um perfil moderado, e quer aproveitar as diversas oportunidades que o mercado oferece, os fundos multimercados podem ser uma boa opção para você. 

No momento atual, com os juros baixos, e os ativos de renda fixa entregando cada vez rendimentos menores, os fundos multimercado se mostram como uma alternativa atrativa. Esse tipo de investimento costuma ser visto em uma escala de sofisticação maior do que fundos de renda fixa

Nessa matéria, a Pi reuniu os principais pontos sobre os fundos multimercado, para que você entenda tudo sobre o assunto. Você ainda vai aprender como investir nos fundos aqui da Pi.

O que você irá conferir: 

O que são fundos multimercado?

Assim como os outros tipos de fundos de investimento, os multimercado também são administrados por gestores, que irão realizar operações de compra e venda de acordo com estratégias pré-estabelecidas. 

Os fundos multimercado juntam os recursos de seus cotistas, e diferentemente de outros tipos de fundos, eles possuem a liberdade para mesclar os recursos em uma ampla gama de ativos, desde de títulos de renda fixa, como, CDBs, e títulos públicos, até ações de empresas, moedas, derivativos e investimentos no exterior. 

A flexibilidade de investir em diversos ativos, possibilita ao gestor montar estratégias diversas, de acordo com mudanças no cenário econômico ou do mercado financeiro. Essa característica versátil permite aos fundos uma maior flexibilidade.

Em momentos de queda de juros, por exemplo, os fundos multimercado podem reduzir suas posições com títulos públicos e realoca-los para ativos que possuam rendimentos maiores, como as ações. 

Esses fundos não possuem uma concentração mínima em nenhum fator de risco específico, ou seja, não são limitados a uma categoria de ativos, como ocorre com outros fundos. Isso irá permitir a eles que possam, por exemplo, investir 100% dos recursos em renda fixa ou em ações. 

Para quem são indiciados os fundos multimercado?

Em média, os fundos multimercado são indicados a investidores que têm um horizonte de médio prazo e não querem somente proteger seu patrimônio, mas sim a possibilidade de receberem retornos maiores o que, consequentemente, causa uma maior exposição a riscos

A depender da estratégia do gestor, os fundos multimercados podem ser tão conservadores como os de renda fixa ou até mais arriscados do que os de ações, mas em geral, vale lembrar que o risco desses ativos é muitas vezes minimizado por conta da ampla diversificação de ativos da carteira. 

Geralmente, os multimercados são investimentos para investidores, com perfil moderado e arrojado, que procuram por investimentos de médio ou longo prazo e que já entendam e aceitam se expor a riscos maiores.

Características dos fundos multimercado

Conheça algumas características comuns sobre os fundos multimercado:

No entanto, se o desempenho do fundo for bom, as taxas pagas podem valer a pena.

Mas essa característica vai depender de onde o gestor aplica. Se ele investe apenas em títulos públicos, a liquidez será muito maior do que caso ele tenha a maior parte de seus recursos aplicados em ações.

Tipos de fundos multimercado

A ANBIMA (Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais) classifica os fundos multimercados em diferentes tipos, de acordo com suas estratégias e alocações. Confira:

Balanceados

Esses fundos adotam uma estratégia de alocação de recursos pré-determinada, onde especifica o mix de investimentos das diversas classes de ativos em que irá investir. Ele ainda inclui o deslocamento tático (quando necessário) e políticas de rebalanceamento explícitas em seu regulamento.

Dinâmicos 

Os fundos dinâmicos também alocam recursos em diversas classes de ativos, mas não se comprometem com um mix pré-determinado. Eles adotam uma política flexível, que pode mudar de acordo com as condições do mercado. Ao contrário dos balanceados, os dinâmicos admitem alavancagem.

Macro

Esses fundos são chamados assim, pois realizam operações utilizando estratégias de investimento baseadas no cenário macroeconômico de médio e longo prazo dos países onde investem.

Trading

Essa estratégia explora oportunidades de ganhos a partir das movimentações de curto prazo no preço dos ativos. Esses fundos geralmente possuem posições maiores em ações, para que possam atuar com a compra e venda diária. 

Livre

Os fundos livres não possuem um compromisso de concentrar seus recursos em uma estratégia específica.  Eles podem incluir uma variedade de ativos diferentes e são comumente vistos como os que possuem maior volume de investimento, entre todos os multimercados.

Long and Short direcional

Nessa estratégia, o gestor faz operações de ativos e derivativos que sejam ligados ao mercado de renda variável. Aqui, o gestor busca montar posições compradas e vendidas na intenção de lucrar com a diferença dessas posições, ou seja, com a diferença do valor de compra para o valor de venda.

Long and Short neutro

Parecido com a estratégia acima, esses fundos também criam posições compradas e vendidas com ativos e derivativos ligados a renda variável. A diferença é que o objetivo aqui é manter a exposição financeira líquida limitada a 5%.

Long Biased

Essa estratégia também aposta em posições compradas e vendidas simultaneamente. A diferença é que esse fundo não possui obrigação de ficar com suas posições vendidas. Caso o gestor acredite em uma alta do mercado, ele poderá posicionar toda sua carteira em compras. 

Juros e moeda

Aqui o gestor aposta em uma estratégia de longo prazo que são ligados a investimentos de renda fixa atrelados ao risco de juros, índice de preços (como o IPCA) e moedas estrangeiras. Esse fundos não investem em renda variável.

Investimento no exterior

Essa classificação é dada aos fundos multimercado que investem, no mínimo, 40% de seu patrimônio em ativos do exterior.

Capital protegido

Essa estratégia é composta por fundos que buscam retornos em mercados de risco, na intenção de proteger(hedge), parcial ou totalmente, o patrimônio investido. Nesses caso, é comum que o gestor invista em ouro e dólar, ativos comumente utilizados para hedge.

Estratégia específica

Esses fundos adotam uma estratégia que implique em riscos específicos, tais como commodities ou futuro de índices.

Crédito privado

Aqui os gestores investem em ativos de crédito, como títulos privados (CDB, debêntures) e outros instrumentos do mesmo gênero. A remuneração desse ativos pode ser pré ou, pós-fixada ou corrigida pela inflação. 

Tributação dos fundos multimercado

A cada seis meses, o Governo Federal recolhe o Imposto de Renda dos fundos de investimentos de forma antecipada. Essa cobrança é conhecida como ‘come-cotas‘ e incide sob fundos de longo prazo, como os multimercados, cambiais ou de renda fixa.

A alíquota do valor, que será cobrado, varia de acordo com o tempo de aplicação e a cobrança é feita sobre o rendimento do fundo no período e não sobre o valor total investido.

A alíquota será de 15% para fundos de longo prazo (títulos com vencimento médio a partir de 365 dias) e de 20% para fundos de curto prazo (vencimento médio de até 365 dias).

Para fundos com cota de abertura (calculada e conhecida no início do dia), a cobrança é realizada nos últimos dias úteis de maio e novembro.

Para fundos com cota de fechamento (calculada  apenas no final do dia, após o fechamento do mercado), a cobrança referente ao último dia útil de maio e novembro, é feita no primeiro dia útil de junho e de dezembro, respectivamente.

Por ser cobrado nesse momento, o investidor pagará apenas a diferença  no momento de resgate da aplicação, dependendo de quanto tempo permaneceu com o investimento e qual seria a alíquota correta no momento do resgate.

O IOF (Imposto sobre Operações financeiras) é outro tributo a ser cobrado nos fundos de investimento. Ele incide sobre o rendimento das aplicações que permanecem investidas por menos de 30 dias. Sua alíquota começa em 96% e reduz a 0% conforme os dias vão passando. Após o primeiro mês, não ocorre mais a incidência desse imposto. Ou seja, esse tributo é apenas cobrado em cima dos investidores que não conseguem manter suas aplicações investidas por mais de 30 dias.

Confira a tabela:

Nº DiasAlíquotaNº DiasAlíquotaNº DiasAlíquota
196%1163%2130%
293%1260%2226%
390%1356%2323%
486%1453%2420%
583%1550%2516%
680%1646%2613%
776%1743%2710%
873%1840%286%
970%1936%293%
1066%2033%300%

Como escolher um fundo multimercado?

Caso tenha despertado a vontade de investir em fundos multimercado, é importante avaliar algumas características para facilitar a sua tomada de decisão. Afinal, em plataformas como a da Pi, o investidor irá precisar escolher entre mais de 130 fundos diferentes.

Performance e rentabilidade

Caso já tenha começado a investir, muito provavelmente já deve ter ouvido a frase de que “rentabilidade passada não é garantia de retorno futuro”, o que significa basicamente, que não podemos esperar que a rentabilidade passada do fundo, se reflita em seus resultados futuros. 

No entanto, isso não impede o investidor de fazer uma análise do desempenho histórico dos fundos para entender como eles veem se comportando ao longo do tempo. Em muitos casos, onde o ele vêm demonstrando bons resultados, há uma grande chance deles continuarem entregando bons rendimentos.

Além disso, ao estudar a performance dos fundos, o investidor consegue identificar como o gestor se comporta durante os momentos de alta e baixa do mercado e como ele se comporta em momentos de crise. 

Aplicação mínima

Todo fundo de investimento possui um valor mínimo a ser investido, na primeira vez. Na Pi, por exemplo, existem fundos multimercado com aplicações mínimas a partir de R$ 30 e R$ 100. 

O valor do montante irá variar muito de uma fundo para o outro e essa informação ajuda o investidor a definir se terá ou não condições de aplicar naquele fundo. 

Risco

Como dito anteriormente, o nível de risco dos fundos multimercado pode variar de acordo com a estratégia adotada pelo gestor. Se ele, por exemplo, decidir investir a maior parte de seu patrimônio em ativos de renda fixa, o risco será muito menor do que caso ele optasse por aplicar a maior parte em ações da bolsa.

No entanto, aqui vale avaliar o nível de risco de cada fundo, que é definido pelas corretoras, e que ficam mais claros após a realização do teste suitability (perfil de investidor), onde você irá entender se está apto para aquele nível de risco ou não.

Benchmark

O benchmark é o índice de referência que um fundo utiliza para a performance da sua carteira. Alguns exemplos de índices comuns do mercado são: CDI, Ibovespa ou IBrX.

Verifique o nível de proximidade do desempenho do fundo com o benchmark que ele utiliza. Alguns fundos (de gestão passiva) possuem como objetivo acompanhar o desempenho desses índices, já outros (de gestão ativa) visam superá-lo.

No caso dos multimercados, é muito comum que eles utilizem o CDI como benchmark, ou até o Ibovespa, caso o fundo possua boa parte do seu patrimônio investido em ações.

Qualidade

Casas de análise ou especialistas realizam avaliações externas sobre fundos de investimento, com o objetivo de indicar quais são as melhores carteiras do mercado. 

Essas instituições costumam considerar fatores como: objetivos, rentabilidade em comparação a um benchmark, nível de risco e volatilidade como formas de mensurar a qualidade e desempenho dos fundos.

Os melhores fundos multimercado de 2019

A Valor Investe levantou os dados dos 15 fundos multimercado que tiveram o maior retorno em 2019, com base nos dados da plataforma Morningstar, uma casa de analise americana. 

Confira quais são na imagem abaixo: 

FundosRetorno em 2019
Logos Total Return116,14%
Solana Absoluto39,34%
Dahlia Total Return36,29%
Távola Absoluto36,20%
Canvas Vector24,48%
Giant Sigma16,77%
Ibiúna Hedge STH16,20%
Polo Macro16,19%
Kapitalo Zeta15,74%
Perfin Equity Hedge 1515,69%
XP Macro Plus15,66%
Legacy Capital Advisory14,98%
Kinea Atlas14,94%
Occam Retorno Absoluto14,75%
Itaú Personnalité Hedge Plus14,72%

Fonte: Valor Investe

Dos 15 listados, você pode encontrar 11 deles na plataforma da Pi. Para conhecer todos nossos produtos é só clicar aqui,

Como investir em fundos multimercado – passo a passo

Muitas corretoras atualmente possuem fundos multimercado disponíveis para o público em geral. Agora que você já aprendeu sobre os fundos, descubra como investir aqui na Pi. 

1° Abra sua conta na Pi 

Imagem da tela de abertura da conta

Para abrir sua conta basta acessar esse link e você será direcionado para a página de abertura de conta. Leva apenas alguns minutos para finalizar o cadastro e tem taxa zero para manter seu dinheiro na conta. 

Após finalizar seu cadastro e confirmar algumas informações você já terá acesso a todos os investimentos da nossa plataforma.

2° Faça o teste suitability

Imagem da tela do teste do perfil de investidor.

O teste de perfil de investidor é uma etapa obrigatória, que todos os investidores devem preencher antes de começar a investir.  Com ele você conhecerá qual seu nível de risco e os produtos que se encaixam melhor em seus objetivos. 

Mas não se preocupe, o teste não elimina a possibilidade de que o investidor aplique em produtos que não vão de acordo com seu risco. Ele apenas irá te direcionar aos produtos que mais fazem sentido com seu nível de risco.

Após responder dez perguntas, o teste estará completo e você poderá prosseguir. 

3° Faça uma TED para a sua conta Pi

Para fazer a TED basta entrar na conta corrente do seu banco, selecionar o valor que deseja transferir para sua conta Pi e transferir. 

Todos os detalhes como instituição, agência e conta que você irá precisar para realizar sua transferência você encontra na sua conta Pi. Na página principal clique em ‘adicionar saldo’.

Lembre-se de que uma TED que for realizada após às 17hr serão processadas apenas no próximo dia útil. 

Leia mais: TED: o que é e como fazer

4° Escolha em qual fundo deseja investir 

Imagem da tela de produtos filtrando os fundos multimercado

Após transferir seu dinheiro para sua conta basta seguir esses passos: página principal > investir > fundos de investimento > multimercado e escolher entre os mais de 130 fundos multimercado que temos na plataforma. 

Atente-se às informações básicas de cada fundo antes de tomar sua decisão como:  a sua rentabilidade nos últimos 12 meses, a taxa de administração, que é cobrada anualmente, o aporte mínimo e a liquidez de cada fundo que se encontra no campo ‘resgate’. 

Para te ajudar a escolher um fundo multimercado a Pi também conta com o “Comparador de Fundos”, que compara diferentes fundos de investimentos, entre eles os multimercados. Com ele você tem acesso às rentabilidades dos fundos ao longo do tempo e como os Pontos Pi (nosso programa de cashback) faz diferença na rentabilidade final do fundo. 

Acessar comparador de fundos

5° invista

Imagem da tela de um dos fundos multimercado x

Após escolher em qual fundo investir basta clicar nele para obter maiores informações. Role a página para baixo para ter acesso a todas as informações do fundo como taxas, impostos, movimentações, riscos entre outras. 

Após ler tudo, basta clicar em ‘Escolher investimento’ e você será direcionado a uma página onde irá definir o valor que pretende investir, ler e concordar com os termos de adesão e pronto! Você se tornará um cotista do fundo.

Observe que existem fundos de investimento da Pi aderentes ao nosso programa de cashback. Em outras palavras, além de ter o rendimento dos fundos, você ainda ganhará pontos que poderão ser convertidos em dinheiro e consequentemente aumentarão seus lucros.

Gostou da matéria? Deixe seu comentário

Leia também:

5

Avaliar

Obrigado por votar

Você já votou neste post

Fazer comentário

Notícias relacionadas

Fundos de renda fixa: tudo o que você precisa saber

Quer sair da poupança? Os fundos de renda fixa podem ser uma opção. Descubra aqui tudo que precisa saber para começar a investir nesse tipo de investimento.

Fundos de ações: tudo o que você precisa saber

Não sabe como investir na bolsa ou não tem tempo? Os fundos de ações podem ser uma solução para isso. Conheça mais sobre o assunto!

Como começar a investir com R$ 30?

Você já deve ter ouvido falar por aí que investimento é coisa de gente rica.  […]

Fundos DI: o que são, como investir e quais suas vantagens

Você já conhece os fundos DI? Eles são opções de renda fixa muito conhecidas por investidores conservadores ou iniciantes. Leia tudo sobre esses fundos!

FIDCs: o que você precisa saber sobre esse tipo de investimento

Você já conhece os Fundos de Investimento em Direitos Creditórios? Os FIDcs são uma classe de fundos um tanto diferentes. Nesta matéria explicamos pra você.

O segredo para se manter no azul na crise | Vinci Partners

Conheça o segredo dessa asset para conseguir resultados positivos no meio da pandemia. Entrevistamos a Vinci Partners para entender melhor suas estratégias.